Compartilhe
Contate
Role para baixo
Categorias
//Suicídio do trabalhador em decorrência do assédio moral no contexto das relações de trabalho 4.0

Suicídio do trabalhador em decorrência do assédio moral no contexto das relações de trabalho 4.0

por Elcemara A. Zielinski

 

O caso France Télécom

O assédio moral no ambiente de trabalho é uma realidade presente na vida de grande parte dos trabalhadores. Não raro, há uma pressão exacerbada para que metas sejam cumpridas, a produtividade seja aumentada ou ainda, para que sejam feitos pedidos de demissão em massa.

Coagir os trabalhadores a pedir demissão foi o objetivo da empresa de telecomunicação francesa France Télécom. Após a privatização ocorrida em 2004, a empresa decidiu cortar 22 mil postos de trabalho. Porém, grande parte dos funcionários não puderam ser demitidos, pois eram funcionários públicos e tinham estabilidade garantida por lei.

A solução adotada pela diretoria da empresa foi promover uma espécie de “assédio moral institucionalizado” e tornar a vida dos trabalhadores insuportável, obrigando-os a pedir demissão.

Toda a pressão e assédio culminou em uma onda de suicídios. Entre 2008 e 2009, pelo menos 35 funcionários ceifaram a própria vida por não suportar mais as condições no ambiente de trabalho.

O caso se tornou emblemático, pois, com base em uma lei francesa de 2002 que coíbe o assédio moral, tanto a empresa quanto seus diretores foram processados e responsabilidades pela onda de suicídios.[i]

Regulação jurídica do assédio moral no Brasil

No Brasil não há uma legislação unificada sobre o tema. Existem várias leis esparsas, muitas delas estaduais e municipais que vedam práticas abusivas no ambiente de trabalho. Em termos gerais, a Constituição Federal tem assegurado o direito à saúde, ao trabalho e à honra (artigo 5°, X e 6°), assim como, o dever de indenizar danos materiais e morais (artigo 5º, X). No caso do assédio moral, a indenização é devida por ofensa moral ao trabalhador.

O caso da France Télécom não é isolado. Segundo dados divulgados no boletim epidemiológico do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia, entre 2007 e 2015 o Brasil registrou 77.373 suicídios de trabalhadores, perfazendo uma média de 8.597 por ano. A agropecuária lidera o número de mortalidade, seguido pela indústria.[ii]

Apesar de não se saber o impacto do assédio moral no total de casos, sabe-se que não se trata de casos isolados. A título de exemplo, em pesquisa realizada pelo Instituto Patrícia Galvão foi constatado que 40% das mulheres declararam que foram tratadas a gritos ou xingamentos no ambiente de trabalho, enquanto 13% dos homens entrevistados passaram pela mesma situação[iii].

Assédio moral premium: o trabalho 4.0 no contexto pós-reformas e pandêmico

Que o assédio moral faz parte da rotina laboral de grande parte trabalhadores é notório. É evidente também que as reformas nas legislações trabalhistas contribuíram para a precarização das condições dos trabalhadores e proporcionaram ferramentas para o cometimento de abusos por parte dos empregadores.

Um exemplo disso são as novas formas de contrato, dentre as quais as mais precárias são as modalidades de contrato intermitente e de teletrabalho. No primeiro tipo de contrato, o trabalhador não tem garantia de salário que permita sua subsistência, sendo levado a aceitar qualquer condição do empregador. No segundo, há uma carga excessiva de cobrança e metas, pois o trabalhador não está nas dependências da empresa, consequentemente, está exposto a meios eletrônicos de controle.

Soma-se a isso a pandemia de coronavírus e a aceleração da informatização no trabalho. Desde o último ano, viu-se um aumento generalizado do uso de aparelhos eletrônicos, do trabalho em home office, bem como o aparecimento de novos mecanismos de controle de jornada e de produtividade. Dentre os principais mecanismos de controle estão os sistemas que elaboram relatórios de produtividade, não raro, apresentados em reuniões infindáveis por vídeochamadas.

Não há dúvidas que a precarização das relações e os abusos cometidos pelos empregadores têm contribuído consideravelmente para o adoecimento e o suicídio de trabalhadores. Resta questionar até quando os trabalhadores serão submetidos a essas condições? Quando teremos uma lei que efetivamente vise coibir a prática de assédio moral, tanto por parte da empresa quanto de seus responsáveis? Talvez, quando ocorrer um caso semelhante ao da France Télécom e uma onda de suicídios decorrente de assédio institucionalizado. Ou quando a nossa sociedade perceber que já perdemos mais de 8 mil vidas por ano! São trabalhadores e familiares vitimados por uma política que negligência, precariza e cada vez mais desprotege quem produz riquezas no Brasil.

 

Notas e Referências

[i] UCHOA, Pablo. Em julgamento histórico, executivos na França respondem por suicídio de 35 funcionários. BBC Brasil, São Paulo, 12 jul. 2019. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-48963405?fbclid=IwAR2Cnkcsb8xdGmbume_HFfcRtUYwrRDDAGL3sy3ustbDuezqy7amTwbH9bA.

[ii] BRASIL. Universidade Federal da Bahia. Instituto de Saúde Coletiva. Boletim Epidemiológico, N. 14, ano IX, agosto/2019. Disponível em: http://www.ccvisat.ufba.br/wp-content/uploads/2019/08/SUICIDIO_BOLETIM_CCVISATfinalFINAL.pdf. Acesso em: 30 set. 2021.

[iii] https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/12/07/40percent-das-mulheres-dizem-que-ja-foram-xingadas-ou-ouviram-gritos-em-ambiente-de-trabalho-contra-13percent-dos-homens-diz-pesquisa.ghtml


Publicado originalmente em: https://emporiododireito.com.br/leitura/suicidio-do-trabalhador-em-decorrencia-do-assedio-moral-no-contexto-das-relacoes-de-trabalho-4-0

  • 13 views
  • 0 Comentário

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© Luiz Eduardo Cani e João Alcantara Nunes

Contate
Fechar